“Quase 400 milhões de euros” serão lançados para a reconstrução de danos causados pelo fogo em Portugal

O extraordinário e ainda em curso Conselho de Ministros de hoje já aprovou uma série de medidas para corrigir os danos terríveis causados ​​pelos incêndios assassinos do fim de semana. Em termos globais, “quase 400 milhões de euros” serão destinados a reconstruir lares e comunidades devastadas e ressuscitar empresas paralisadas.

O dinheiro será distribuído entre três ministérios – Infraestruturas, Agricultura e Trabalho e Segurança Social – e é projetado para manter os empregos vivos tanto quanto dar suporte às muitas centenas de famílias afetadas.

Em uma conferência de imprensa anunciando as medidas, o ministro da infraestrutura, Pedro Marques, disse uma imagem completa dos danos que resultaram para o inferno furioso do último domingo, embora 44 municípios em 10 distritos ainda estejam em andamento.

“Será dada prioridade à ativação de apólices de seguros que abranjam casas e empresas”, disse ele, enquanto “nos casos restantes, o Estado tomará medidas e irá reconstruir residências primárias”.

No caso das mais de 300 empresas afetadas, o governo desenvolveu “vários instrumentos”, explica ECO on-line.

Uma dotação de € 100 milhões será a reconstrução de empresas, com uma linha de crédito de mais € 100 milhões para “investimentos necessários”.

Haverá também um “sistema de apoio e incentivos para novos investimentos privados” em áreas devastadas, com 50 milhões de euros provenientes de Fundos Comunitários, correspondentes ao mesmo valor de Portugal.

Marques fez questão de enfatizar que o encontro de hoje também criou uma estrutura de saúde e apoio psicológico para as “populações afetadas”.

Este foi um pré-requisito vindo da caminhada muito decidida do presidente Marcelo Rebelo de Sousa através de comunidades devastadas.

O ministro das Obras e Previdência, Vieira da Silva, delineou o dinheiro que ele terá disponível, dizendo que envolve “três dimensões fundamentais” e uma medida que é “totalmente nova” – o apoio do governo para os próximos três meses de salários em empresas danificadas.

É “uma medida excepcional” justificada pelo fato de que esta é uma situação excepcional – e espera-se que custe o Estado “cerca de € 13 milhões”, disse ECO.

“Além desta medida, os apoios sociais às famílias afetadas serão reforçados”, enquanto as instituições sociais envolvidas também verão seus orçamentos impulsionados em conformidade.

Outros planos são suspender a necessidade de as empresas afetadas pagar contribuições para a segurança social, ou pelo menos, reduzir os montantes a pagar.

Na Agricultura, o ministro Capoulas Santos disse que a alimentação animal começará a ficar disponível, para ser distribuída pelas Forças Armadas. Como ele mencionou ontem, há pelo menos 100 mil bovinos e meio milhão de ovelhas com extrema necessidade de alimentos.

Mais 15 milhões de euros foram aprovados para “estabilizar a situação de emergência” nas áreas florestais. Isso envolve “abordar os problemas mais sérios de erosão do solo e contaminação da água”.

O ministério também terá acesso a 8 milhões de euros de linhas de crédito: um (3 milhões de euros) para ajudar as pessoas a venderem a sua madeira (“desde que os preços mínimos sejam respeitados) e o segundo (5 milhões de euros) para criar condições para a instalação de parques de recepção para esta madeira).

Em suma, o Ministério da Agricultura pode esperar € 35 milhões.

Finalmente, a ministra da Justiça, Francesca Van Dunem, anunciou a criação de outra “medida extraordinária” – um mecanismo extrajudicial para indenizar as famílias dos mortos, tanto nos incêndios do último fim de semana, quanto na tragédia de junho no Pedrógão Grande.

Os relatórios da reunião extraordinária ainda não chegaram ao palco onde a “reforma fundamental” prometida pelos “sistemas de prevenção e combate dos incêndios” de Portugal foi delineada.

Isto virá para o final do dia, mas espera-se que envolva “uma revisão do modelo de Proteção Civil” envolvendo “presença reforçada das Forças Armadas” quando se trata de combater e o tipo de reforma sistêmica que “se concentrará no defesa das pessoas e das suas comunidades “.

Disse Expresso nesta manhã, espera-se que o Ministério da Agricultura “, especialmente através do ICNF (Instituto de Silvicultura e Conservação da Natureza), comece a tomar” mais ações na prevenção estrutural “dos incêndios florestais, além de apoiar o combate deles.

Entretanto, a autoridade meteorológica IPMA advertiu que o risco de incêndios é mais uma vez muito alto, e permanecerá de acordo com as temperaturas aumentarem para o resto da próxima semana.




Saiba como Morar em Portugal Passo à Passo

Conheça o GUIA Oficial Morar em Portugal

Morar em Portugal é um guia completo para quem deseja trabalhar, residir ou passear na terra de Cabral.

Ao acessar o guia, você terá acesso as informações abaixo:

  1. Planejamento de moradia
  2. Emissão de passaporte comum
  3. Emissão de passaporte de emergência
  4. Quanto levar em dinheiro?
  5. Como escolher passagens aéreas?
  6. Como escolher hotel barato?
  7. Que documentos autenticar no Brasil?
  8. Documentos necessários para apresentar na Imigração
  9. Média de custos para os primeiros meses de moradia
  10. Despesas básicas
  11. Que documentos preciso ter para morar em Portugal?
  12. Onde morar?
  13. Como consigo vagas de emprego em Portugal para brasileiros?
  14. Matriculas escolares para filhos
  15. Como faço para me legalizar?
  16. Como tirar habilitação em Portugal?
  17. Comprando carro barato em Portugal
  18. Como estudar em uma universidade portuguesa?
  19. E muito mais! São mais de 50 aulas, vídeos e ebooks com informações preciosas sobre a imigração de brasileiros para Portugal.



 

 

Cadastre-se em nossa Lista

Ivan Vasconcelos

Brasileiro, publicitário e web marketing que gosta de passar informações sobre a vida em Portugal.

Website: