Covid-19: Brasileiros em Portugal entre o desemprego e o medo de serem despejados

0
443
Compartilhe!

O testemunho de quem já recebeu um aviso de despejo.

Brasileiros que moram em Portugal procuram grupos nas redes sociais para denunciar despedimentos e o medo de despejos com a paralisação da economia portuguesa e o avanço do novo coronavírus.

Num grupo na rede social Facebook chamado Brasileiros em Portugal, com mais de 350 mil integrantes, a decisão do Parlamento de suspender denúncias de contratos de arrendamento e despejos ganhou destaque entre mensagens e relatos de brasileiros que diziam ter sido demitidos e receberam avisos para deixar imóveis arrendados onde moram em Portugal.

Nicolle Ravena, que vive no Porto, disse à Lusa que foi demitida de um restaurante onde trabalhava e quando disse à sua senhoria o que se passou recebeu imediatamente um aviso informal de despejo.

“Mandei uma mensagem para a dona do imóvel onde moro para contar que o restaurante onde trabalhava fechou por tempo indeterminado. O contrato de aluguel está em nome de outra pessoa e quis informar estes problemas porque não sabia direito o que fazer. A dona do imóvel me mandou sair até 1 de abril”, disse a imigrante brasileira.

“Se não conseguir fazer o pagamento até o dia 1 de abril, ela (senhoria) disse-me que terei de sair do apartamento. Eu mandei a ela uma reportagem sobre a nova lei que impede temporariamente os despejos, mas ela respondeu estar no seu direito e, como o contrato de arrendamento não está no meu nome não sei o que fazer porque não tenho dinheiro para mudar ou comprar uma passagem de volta ao Brasil”, acrescentou.

Carolina Leitão Chilinque, outra brasileira que vive em Lisboa com o marido e um filho de seis anos, disse ter lido nas redes sociais dezenas de relatos de pessoas cujos senhorios simplesmente pediram o imóvel até o fim do mês.

“E vão para onde? Como vão pagar pela casa nova?”, questionou.

“Meus melhores amigos estão quase sem comida em casa porque foram dispensados do trabalho e têm um filho de nove anos. Tenho familiares que há quatro meses solicitaram repatriação via embaixada e não temos nem notícia deles já que (eles) não têm mais número de telemóvel”, completou.

Outra pessoa que já sentiu o impacto do novo coronavirus na economia e no mercado laboral é a brasileira Márcia Regina dos Santos.

“Com esta história do coronavírus o lugar em que trabalhava fechou. Eu trabalhava em um café em Lisboa, vivo em Barreiro, na região de Setúbal. O café fechou, todos fomos demitidos porque o proprietário já prevê que haverá crise económica e ele não terá como pagar salários e as despesas”, disse.

REGRESSO AO BRASIL PODE SER A ÚNICA HIPÓTESE

Márcia Regina dos Santos mudou-se duas vezes para Portugal. Ela disse que regressou ao país há três anos, mas talvez tenha de regressar ao Brasil porque vive numa casa arrendada e tem medo de não ter dinheiro para pagar suas contas.

“A minha senhoria ainda não tocou no assunto, não falou nada, mas todos estamos com medo de não ter dinheiro para pagar o aluguel, a luz, a água. Até agora o Governo não fez nada, o que eles fizeram foi fechar o comércio”, explicou.

“Já tivemos uma crise entre 2009 e o ano de 2010. O país ficou em uma situação complicada, mas conseguiu se reerguer. Agora o problema é mundial, o problema não está só aqui. Portugal é um país pequenino e para sair desta crise será difícil. Ouço muitos brasileiros dizendo que vão voltar para trás (para o Brasil) porque o que nos segurava aqui era a questão da segurança, da saúde. O resto é muito semelhante ao Brasil. Ganha-se pouco e mata-se um leão por dia para sobreviver”, concluiu.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, foi detetado em dezembro na China e já infetou mais de 308.000 pessoas em todo o mundo, das quais mais de 13.400 morreram.

O continente europeu é atualmente aquele com o maior número de casos, sendo Itália o país com maior número de vítimas mortais em todo o mundo. Regista 4.825 mortos em 53.578 diagnósticos positivos e, desses infetados, 6.062 já foram dados como curados pelas autoridades.

Os países mais afetados depois de Itália e China são: Espanha, com 1.720 óbitos em 28.572 infeções; Irão, com 1.556 mortes entre 20.610 casos; França, com 562 vítimas mortais em 14.459 diagnosticados; e os Estados Unidos da América, com 340 mortes em 26.747 infetados.

Via SIC Notícias