Conheça a nova realidade: Dívida das famílias em Portugal caiu para níveis históricos

0
1519

Apesar da enorme crise que atingiu Portugal nos últimos anos, a verdade é que o país parece estar conseguindo se recuperar do melhor jeito possível.

Depois dos níveis do desemprego em Portugal terem diminuído para uma porcentagem que há muito tempo não se via, agora foi a vez da dívida das famílias em Portugal terem caído para valores de 2010, ou seja, de há oito anos. Relembramos que com o nosso passo a passo atualizado para morar em Portugal todo o processo vai se tornar simples.

Uma realidade que aumenta a qualidade de vida

Como garante o site da revista “Sábado”, é preciso recuar ao último trimestre de 2010 (quando se situou nos 365,1% do PIB) para encontrar um rácio mais baixo, e o actual nível de endividamento da economia portuguesa está já bem afastado do máximo histórico atingido no segundo trimestre de 2013 nos 427,7% do PIB.

A desalavancagem da economia portuguesa é transversal a todos os sectores, embora continue a ser mais forte no privado do que no público.

A dívida do sector público não financeiro (não é comparável com dívida pública) caiu para 162,1% em Junho, o que representa uma redução superior a 6 pontos percentuais face ao registado em Junho do ano passado (168,4%).

No que diz respeito ao sector privado não financeiro, a descida foi mais acentuada (quase oito pontos percentuais para 205,5% do PIB). As famílias baixaram o endividamento para 72,4% do PIB e as empresas privadas viram a dívida baixar para 133,1% do PIB.

No caso das famílias trata-se do endividamento mais baixo desde, pelo menos, 2017 (primeiro ano para o qual o Banco de Portugal disponibiliza dados) e está sobretudo relacionado com a descida do endividamento através de crédito à habitação (baixou para 50,5% do PIB).

No caso das empresas, o endividamento em percentagem do PIB também é o mais baixo desde 2007 (pelo menos).

Mas o endividamento não caiu apenas para as famílias

O endividamento do sector não financeiro em Portugal totalizou 721,1 mil milhões de euros no final do primeiro semestre deste ano, o que representa 367,67% do PIB, anunciou hoje o Banco de Portugal.

Apesar de, em valor nominal, o endividamento da economia portuguesa até estar com tendência de alta (atingiu mesmo um máximo histórico em Maio), em termos de peso no PIB (que é o indicador mais relevante para medir o endividamento) a trajectória é claramente de descida.

O peso de 367,7% representa uma descida de dois pontos percentuais face ao registado no final do primeiro trimestre (369,7% do PIB) e de quase 14 pontos percentuais no espaço de um ano (381,6% em Junho de 2017).

Apesar desta descida acentuada, em valor o endividamento do sector não financeiro recuou apenas 200 milhões de euros entre Junho do ano passado e Junho deste ano. Na comparação com o final de 2017, o endividamento do sector não financeiro aumentou 5,3 mil milhões de euros, reflectindo o acréscimo do endividamento do sector público.

Se quiser viver nesse país maravilhoso, tenha suas dúvidas eliminadas e faça parte da nossa enorme equipe que com nosso curso atualizado entrou e se legalizou em Portugal, sabendo de tudo para tornar o processo rápido e simples.